Não consigo olhar para a tela e imaginar Tom Hanks fazendo papel de vilão. Ele tem cara de um tio que todo mundo tem. Boa gente e que parece saber de tudo sobre praticamente tudo. É, mas, em “A Viagem”, esse bom ator americano faz dois papéis totalmente diferentes. Baseado no romance de David Mitchell, “A Viagem” mistura história, ciência, suspense, humor e seis narrativas separadas, mas vagamente relacionadas. Cada uma dessas narrativas ocorre em um tempo e lugar diferente, que é escrito em um estilo diferenciado de prosa, e cada um é interrompido em meados da ação e tem sua conclusão na segunda metade do livro. Em “A Viagem”’, várias histórias em épocas diferentes, passado, presente e futuro, estão conectadas, mostrando como um simples ato pode atravessar séculos e inspirar uma revolução. Com certeza já assistimos outras produções que mostram várias estórias que acabam se conectando no final de alguma maneira. “A Viagem” é conduzido pelas mãos experientes dos irmãos Andy Wachowski e Lana Wachowski , que revolucionaram o cinema contemporâneo com o lançamento de Matrix (1999), estão de volta em A Viagem (Cloud Atlas), ao lado do diretor alemão Tom Tykwer (Corra, Lola, Corra). O filme tem previsão de estreia neste final de semana, com boas chances de figurar na lista do Oscar.A-Viagem-foto-6-9-2

Anúncios